Querido(a) leitor(a), você sabe como podemos ajudar o nosso planeta a continuar vivo? Com pequenas ações no nosso dia a dia. O planeta Terra pede socorro, já não suporta tanto lixo produzido pelo ser humano. Ser sustentável é, antes de tudo, ser consciente. Podemos fazer a nossa parte dando uma nova vida a quase tudo que tem como destino o lixo. Aproveitar ao máximo os objetos que fazem parte do nosso dia a dia, como os celulares, por exemplo, e não nos deixarmos levar pela sedução da indústria do consumismo. E não são só os objetos que merecem atenção, mas os recursos naturais da Terra que estão se esgotando. A água está se tornando cada vez mais escassa, e o pouco que ainda resta está sendo poluído devido a negligência e descaso com que as autoridades e os próprios consumidores tem em relação a proteção das nascentes, das matas ciliares, do uso dos rios como esgoto. Desastres ambientais estão ocorrendo todos os dias, como o de Mariana/MG/Brasil, que colocam em risco a sobrevivência do ser humano e de todas as espécies do planeta. Precisamos urgentemente mudar o nosso modo de pensar, de individual para coletivo, a fim de poder auxiliar o nosso planeta a continuar vivo.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Semana da Pátria - Bandeira reciclada

A Semana da Pátria se aproxima, no dia 7 de setembro o Brasil vai comemorar 190 anos de independência de Portugal. O aspecto histórico não será abordado nesse post, o objetivo aqui é mostrar a criatividade do brasileiro no reaproveitamento de sucata para confeccionar a bandeira do Brasil.

Bandeira de garrafa pet
Fonte: Garrafas Pet.

Essa outra bandeira é enorme!
Fonte: Arte com Pet.

Outra bandeira, essa também gigante, com 8 metros

Fonte: Blog da Professora Alessandra.

Bandeira de retalhos de tecido
Fonte: Hortência Barreto.

2 comentários:

ღα૨gѳђ ખ૯૨ท૯૮ઝܟ disse...

adorei a de retalhos...

costurando , emendando sonhos e esperanças para este nosso povo tão criativo!


Beijo

Regina Bolico disse...

Oi Margoh!
Eu também adorei a de retalhos. Muito bonito o que você escreveu.
Um abração!

.

.

.

.