"Quando se fala na sustentabilidade do planeta Terra, as pequenas mas significativas ações cotidianas de cada um, valem muito mais do que longos e evasivos discursos impregnados de proposituras que raramente são transformadas em realidade". (Prof. Zenobio Eloy Fardin)

terça-feira, 30 de setembro de 2008

A agricultura e o uso de agrotóxicos

  
O uso de métodos não sustentáveis na agricultura tem provocado grandes agressões ao meio ambiente: erosão, infertilidade, desertificação, mudanças climáticas, contaminação dos solos, das águas, dos animais e dos seres humanos. A infertilidade humana e animal têm relação com o uso de agrotóxicos, segundo o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Sérgio Koiffmann. Outro problema apontado pelo pesquisador é o aumento no índice de câncer.
O uso indiscriminado de agrotóxicos acarreta muitos problemas, se usado sem respeitar as normas de segurança e sem orientação técnica, podem contaminar os solos, os rios, os aplicadores e os consumidores. A esse respeito, foi-nos relatado pela professora Ana Lúcia, de gerenciamento de recursos naturais, uma experiência com aplicador de agrotóxico que não fazia uso de proteção: foi afixado na sua roupa absorventes higiênicos e ele foi fazer a aplicação do produto como normalmente fazia. O resultado foi assustador, quando retirados os absorventes eles estavam ensopados de veneno, que normalmente ia para a sua pele. O que poderá causar a saúde dessa pessoa ao longo do tempo? Foi-me relatado que um trabalhador que não usava proteção adequada precisou fazer hemodiálise por causa de problemas renais provavelmente causados pela falta de proteção no manuseio de produto tóxico. Soube que essa pessoa acabou falecendo.
Um outro caso que foi colocado é que não existe um agrotóxico específico para a cultura do tomate, morango, couve, enfim, alimentos que normalmente consumimos, o que existe é o uso por parte do agricultor da sobra de produto que normalmente é aplicado na soja, por exemplo. Frutas e legumes precisam receber muitas aplicações, acabamos consumindo um produto sem qualidade e com doses altíssimas de pesticidas, sem falar no aumento dos custos no preço final dos produtos. Apesar do uso constante de produtos químicos as pragas e pestes continuam a provocar perdas nas safras, uma vez que se tornam resistentes a esses produtos.
Uma alternativa a agricultura convencional é a agricultura orgânica, que não agride o meio ambiente, que pode fornecer o sustento sadio para as pessoas e regeneração para os solos castigados pelo uso de produtos químicos.

Imagem: Agricultura - Alagoas, UFOTVONLINE - Notícias

sábado, 6 de setembro de 2008

Voçorocas

          
As chuvas fortes também podem originar sulcos na terra. Se não forem controlados, esses sulcos se aprofundam a cada nova chuva e podem, com o escoamento que ocorre no subsolo, resultar em sulcos de enormes dimensões, chamados voçorocas (ou boçorocas), que podem atingir dezenas de metros de largura e profundidade, além de centenas de metros de comprimento. As áreas com voçorocas ficam impossibilitadas tanto para uso agrícola como urbano.
        
Para impedir a formação das voçorocas, a primeira ação deve ser o desvio do fluxo de água. Se a topografia do relevo não permitir esse desvio, deve-se controlar a velocidade e o volume da água que escoa sobre o sulco. Isso pode ser feito com o plantio de grama (se a declividade das paredes do sulco não for muito acentuada) ou com a construção de taludes – degraus responsáveis pela diminuição da velocidade do escoamento da água -, recurso usado em rodovias brasileiras.
       
Outra solução bastante utilizada e difundida é a construção de uma barragem e o conseqüente represamento da água que escoa tanto pela superfície quanto pelo subsolo. Esse represamento faz com que a voçoroca fique submersa e receba pela água sedimentos, que a estabilizam.

Fonte: MOREIRA, João Carlos e SENE, Eustáquio de. Geografia (ensino médio). São Paulo, Scipione, 2005.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Conservação dos solos agrícolas

          A perda anual de milhares de toneladas de solos agricultáveis, sobretudo em conseqüência da erosão, é um dos mais graves problemas ambientais e o que abrange as maiores extensões terrestres. A principal causa da erosão, principalmente em países de clima tropical, é a retirada total da vegetação (muitas vezes por meio de queimadas) para implantação das culturas agrícolas e das pastagens.
          A intensidade da erosão hídrica está diretamente ligada à velocidade e ao volume de escoamento superficial da água: quanto maior a velocidade de escoamento e o volume de água, maior a sua capacidade de transportar material em suspensão; quanto menor a velocidade, mais intensa a sedimentação e menor a intensidade da erosão. A velocidade e o volume de escoamento dependem da declividade do terreno, da quantidade e intensidade da chuva, da densidade da cobertura vegetal e do tipo de solo. Em uma floresta essa velocidade é baixa, pois a água encontra muitos obstáculos (como raízes, troncos e folhas) à sua frente e fica a maior parte em contato com o solo, o que favorece a infiltração. Em uma área desmatada, a velocidade de escoamento superficial é alta e a água transporta muito material em suspensão, o que intensifica a erosão e diminui a quantidade de água que se infiltra no solo.

Fonte: MOREIRA, João Carlos e SENE, Eustáquio de. Geografia (ensino médio). São Paulo, Scipione, 2005.
Imagem: Galeria de Sam Beebe/Ecotrust
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...